ago 23, 2016
Tamy

Look do dia: étnico + poás

Vestidinho de verão que funciona também no inverno! Lembra dele no post sobre Rodes? Pois agora ele se juntou ao casaco quentinho que arrematei na liquidação e o resultado é um mix de estampas bem diferentes mas que combinam na cor. 🙂

Enquanto o inverno não vai embora, vou enfrentando o restinho de frio do jeito que dá!

Look 034/2016:

• Vestido e casaco Forever 21
• Choker que é uma pulseira (ganhei de uma amiga)
• Bota Studio Acesso

ago 17, 2016
Tamy

Look do dia: saia plissada metalizada e tênis

Uma das minhas resoluções para 2016 é comprar menos, o que até agora estou conseguindo cumprir com sucesso. Naturalmente acabo visitando menos os shoppings e as lojas, então as novidades não me dão aquela loucurinha por compras.

Lá em março/abril quando minha mãe veio me visitar fomos ao shopping e avistei essa saia na Zara por 189 dinheiros. Apesar de achar linda, estava fora de cogitação uma saia desse preço. Aguardei a liquidação e arrematei semana passada por R$59. 🙂

Resolvi combinar com tênis porque é uma saia midi plissada e metalizada, precisava de um visual esportivo para usar durante o dia. A maioria dos meus tênis são coloridos, exceto esse que uso para correr.

Não é “aquele” Adidas da moda, mas amo ele mesmo assim e ainda dá para usar enquanto coloco em prática meu projeto fitness #corropracomer 😛

Pra arrematar: jaqueta jeans grandona com cara de anos 90 honestamente roubada do armário do marido e choker que na verdade é uma pulseira.

Look 033/2016:
• Jaqueta masculina Zara
• Camiseta antiga (não lembro a marca)
• Saia Zara
• Pulseira Kafé usada como choker
• Colar Parco
• Óculos Moon que veio da loja Quem te viu, quem te vê
• Tênis Adidas

ago 12, 2016
Tamy

Pílula anticoncepcional: heroína ou vilã? Como é minha vida sem ela.

b5b4cf5689b473685cb4be573cec9cf8

Salvadora da liberdade sexual de muitas mulheres desde os anos 1960, a pílula anticoncepcional foi herdada pelas gerações seguintes como a solução para quem quer decidir quando – e se – quer ou não filhos. Gente como eu, que nasceu nos anos 1980 e 1990, aceitou sem questionar e a adotou como a heroína anti-cólicas, espinhas e ciclos desregulados. Lembro que na escola haviam colegas com 15 anos que já eram adeptas por indicação médica.

A principal vilã combatida pela pílula era a menstruação, aquela maldita que não permitia um belo dia de biquíni na praia sem canga, aqueles ~litros e litros~ de sangue inconveniente tornando a vida tão desagradável, isso sem falar na TPM, na pele oleosa, na retenção de líquidos.

Mas o jogo virou, veio o coletor menstrual, o feminismo, as mina falando que a tal pílula não é tão boa assim. Passamos a falar mais sobre a vagina, com esse nome mesmo, não mais a “perseguida”. A verdade, meu bem, é que passou da hora de rever esse medicamento que ingerimos religiosamente todos os dias como se fosse a coisa certa a se fazer, enquanto fugimos da menstruação como se fosse um equívoco da mãe natureza.

Não sou médica e, mesmo que fosse, não poderia sair por aí dizendo o que você deve ou não fazer com o seu corpo, então não estou recomendando o comportamento A ou B. Mas como mulher quero dividir minha experiência para que você possa saber o que me aconteceu quando parei de a tomar pílula anticoncepcional.

Tudo começou com o coletor menstrual, essa maravilha empoderadora e sustentável que o mercado escondeu de nós por tanto tempo. Comprei o primeiro, usei, amei e antes de esquecer no fogo e derreter o pobrezinho, descobri que menstruação não era algo tão ruim assim. O fluxo não é tudo aquilo que aparenta em absorventes comuns e dá para ser feliz no período menstrual na rua, na chuva, na fazenda e até numa casinha de sapê. Eu fui feliz no trabalho, na piscina, na praia e até em longas viagens de avião. Aquele aperto que passei na Turquia quando precisei de absorvente e não havia em nenhum lugar é página virada.

Afastado o fantasma da menstruação, comecei a perceber algumas coisas na minha saúde. Estou na casa dos 30 e comecei a sentir dor e cansaço nas pernas. A enxaqueca virou companheira e chegava a ficar comigo por 3 dias. Quando comecei a me sentir cansada a ponto de prejudicar a vida, fui a uma endócrino e fiz vários exames. Tudo lindo e maravilhoso com os exames, comigo… não era bem assim.

Vamos anotar o que eu tinha até aqui: dor nas pernas, cansaço, enxaqueca frequente, cólicas e TPM. Também tinha um ciclo menstrual “regular” de 28 dias porque é o que durava minha cartela.

Um belo dia resolvi mudar. Parei de gastar meu rico dinheirinho com pílula e observei o que acontecia. No início senti falta de alguma coisa e até uma certa insegurança, mas esqueci dela rapidinho. Para não me perder muito no ciclo adotei um app, o P Tracker Lite, que com base na última menstruação calcula a ovulação e o próximo ciclo.

Depois de parar com a pílula, levou uns 3 meses até a menstruação ficar regulada e eu aprendi que meu ciclo não é de 28 dias e sim de 30. Foi quando eu descobri o quanto a gente muda durante a ovulação, coisa que não há como saber quando se toma pílula há muitos anos. E é bem legal, recomendo! 😛

Nesse tempo também diminuiu muito o cansaço e as dores nas pernas. Fiquei meses sem exaqueca e consegui descobrir que um dos gatilhos é o excesso de lactose (assunto para outro post). Basicamente eu não tenho crises de enxaqueca sem pílula e sem lactose.

Com o ciclo regulado e conhecedora da minha menstruação graças ao coletor, percebi que o fluxo aumentou um pouco mas não percebi a TPM, porque ela praticamente desapareceu, assim como as cólicas. Em alguns meses eu sinto uma certa ansiedade e vontade de comer uns chocolates a mais, mas isso acontece raramente. Quase não sinto cólicas, só aquele desconforto no primeiro dia.

Minha vida após parar com o anticoncepcional: diminuiu o cansaço, a dor nas pernas, a TPM e as cólicas. A enxaqueca ficou controlada. Descobri como é ovular e que meu ciclo é de 30 dias. Tudo isso só listando os sintomas físicos. Se for citar os psicológicos passarei o dia falando sobre como me sinto mais tranquila.

Não vou falar sobre métodos contraceptivos porque isso é assunto pessoal para tratar com seu médico. Mas pontuo que existem muitos métodos e que pílula sozinha não previne DST. Claro que você já sabe disso afinal nós – garotas super informadas dos anos 80 e 90 – sabemos tudo sobre nossos corpos né?! (contém sarcasmo)

Meu relato termina com o saldo positivo por arar com a pílula. Corpo, mente e conta bancária saíram ganhando. Aprendi ainda mais sobre o meu corpo e queria dividir isso para que você saiba que se livrar dessa companheira de tantos anos pode parecer ruim e até dar um frio na barriga mas – no meu caso – foi libertador.

Os papéis estão se invertendo. A menstruação deixou de ser vilã para voltar a ser a parte natural de nossas vidas. Já a pílula anticoncepcional que por anos nos foi vendida como heroína talvez deva ser tratada como medicamento que é e utilizada apenas com indicação médica para casos onde realmente há necessidade.

——

Lembre-se: iniciar ou parar um tratamento com medicamentos (como o anticoncepcional) deve SEMPRE ter o acompanhamento de um médico.

——

Deixo alguns links para quem se interessar sobre o assunto (se você tiver sugestões de links, cole nos comentários).

Vítimas de anticoncepcionais

 Médicos apontam ligação entre uso de anticoncepcional e trombose

• Contracepção hormonal e tromboembolismo (sugestão da Dra Luciana Akita)

• Pílula e Libido

Créditos das imagens:
1 – Milk Magazine
2. Handcrafted in Virginia
ago 9, 2016
Tamy

Look do dia: vestido midi e maxi cardigan

Aos poucos estou tentando retomar a frequência de postagens aqui no blog, espero que ainda tenha alguém aí do outro lado <3 estou preparando alguns vídeos e posts bacanas para as leitorinhas que não me abandonaram. 🙂

Semana passada tivemos um calor passageiro e agradável que permitiu sair por aí com perna de fora e tudo! Fui conferir a inauguração da Sephora do Iguatemi de vestido midi e maxi cardigan.

Estou adorando brincar com os comprimentos das peças e misturar cores. Os vestidos midi são ótimos porque dá pra andar por aí sem medo de ser traída pelo vento, quando combinado com os complementos certos, dá uma boa alongada deixando a gente quase do tamanho da Gisele (ahãm ¬¬ ) hehehe.

Esse, de malha canelada, é da Renner. Não sou fã de vestidos de malha porque eles costumam marcas o que está por baixo, mas tinha gostado tanto desse que resolvi arriscar.  Não deu outra, nem com meu That Girl Silicone o danado funcionou. O jeito foi usar sutiã tomara que caia.

Não comentei por aqui, mas estou abolindo o sutiã da minha vida. Nunca fui fã e cada dia uso menos. Nos posts da Grécia só estou de sutiã no look com blusa transparente 😛

Look 032/2016:

• Vestido Renner
• Cardigan Rafaela Tomazzoni
• Relógio Casio com pulseira da Tailândia
• Colar Accessorize
• Sandália Espaço Fashion

ago 8, 2016
Tamy

8 jaquetas bomber para se inspirar (e se apaixonar)

As jaquetas bomber vieram para ficar e já conquistaram muitos coraçõezinhos por aí. As araras estão com várias em liquidação e as mais leves podem compor ótimos looks na primavera que se aproxima.

As gurias prendadas – que adoram uma customização – podem se inspirar nessas jaquetas incríveis para fazer uma peça única. Como sonhar não custa nada, reuni minhas jaquetas favoritas para que possamos sonhar juntas <3

Essa preta é da Zara e talvez apareça por aqui nos próximos dias. Vi algo bem parecido na Zara Man. Vamos torcer!
Com a onda dos patches, você pode comprar alguns e customizar uma peça antiga ou de brechó. Fica divertido e atual.

As discretas também podem! 🙂

 

Páginas:1234567...539»

publicidade

Histórico de posts