Browsing articles in "De repente 30"
ago 9, 2011
Tamy

De repente 30: TV Colosso

Hoje é dia de De Repente 30, dia de relembrar a infância, rir e chorar de saudades. E eu confesso que esse vídeo de abertura já me arrancou algumas lágrimas. Então para começar pelo começo, vamos ver o vídeo de abertura da TV Colosso! Tchururururú-aaaaaaau!

 

Continue reading »

jul 19, 2011
Tamy

De repente 30: Xou da Xuxa

25 anos do Xou da Xuxa! Tenho 28 anos e assisti a rainha dos baixinhos desde seus primeiros pulinhos na TV Manchete, quando ela ainda não tinha paquitas e mandava a Cláudia sentar lá.
Minha mãe detestava a Xuxa e hoje eu entendo o motivo, afinal, eu não gostaria se minha filha de 3 anos tivesse um disco com uma moça pagando peitinho capa. De qualquer forma, eu tinha uma tia “super liberal” que dava presentes clandestinamente e minha mãe não tinha como se livrar deles sem criar problemas familiares.
Enfim, cresci vendo a Xuxa e hoje relembro tantas coisas que faziam parte do folclore da rainha. Se você também foi um baixinho, vem comigo!

 

Continue reading »

jul 14, 2011
Tamy

De repente 30: O Pequeno Príncipe

“Toda pessoa grande foi criança um dia. Mas poucos se lembram disso.”

O Pequeno Príncipe foi um dos primeiros livros que li na infância, sem dúvida foi o primeiro que me fez chorar e refletir sobre a vida. Eu tinha algo entre 6 e 7 anos de idade quando minha madrinha (que foi professora) resolveu que era importante eu ler bons livros ao invés dos quadrinhos e histórinhas bobas que eu adorava. Lembro que ela me deu uma pilha de livros para que eu começasse “a virar gente” e como ela era minha vizinha, era bom que eu obedecesse!

Escolhi o único que tinha desenhos. Não eram desenhos como os dos meus livrinhos, mas ao menos eram desenhos. Lembro da forma como me incomodava o quanto o principezinho ficava divagando sobre cada detalhe, demorei a entrar no clima.

Hoje, com quase 30 anos, vejo que é hora de reler O Pequeno Príncipe. O motivo foi a exposição que o Shopping Iguatemi está promovendo, que de tão encantadora mexeu comigo e me lembrou a infância.

Vou mostrar um pouquinho para vocês!

Continue reading »

jun 29, 2011
Tamy

De repente 30: games idosos

Você sabe como fazer um cartucho com problema voltar a funcionar? Aliás você sabe o que é um cartucho? Se você sabe o que é isso, bem vindo esse é mais um post DE REPENTE 30, onde eu falo sobre coisas que marcaram minha vida nesses quase 30 anos e que parecem ter sido ontem.

Continue reading »

maio 18, 2011
Tamy

De repente 30: Kinder ovo com surpresa

Quem nunca chacoalhou um Kinder Ovo para tentar descobrir a surpresa? Quem nunca destruiu o pobre ovinho na ânsia de ver logo qual era o brinquedo e se ele completava a coleção dos gnomos ou dos leões.

Eu e meu irmão destruimos muitos. Tantos quantos nossas mesadas permitiam e muito mais do que nossa mãe gostaria. É que ao lado da nossa casa tinha uma padaria e era caminho obrigatório para ir e voltar da escola. Lá deixávamos, investidas em Cheetos e Kinder Ovo, todas as moedas que conseguíamos arrecar.

Chocolate preto por fora, chocolate branco por dentro e uma surpresa no final. Promessa de delícias e diversão, mas quando provei, meu primeiro Kinder Ovo: ARGH! Era horrível! Senhoras e senhores, odiei o Kinder desde o primeiro instante em que o degustei. Meu irmãozinho também. Mas as surpresas eram tão legais que decidimos que era um investimento válido. Comprávamos o ovo, escondíamos o chocolate e ficávamos com o brinquedo. Era o plano perfeito!

Mas como se livrar do chocolate? “Eu dou um jeito” disse meu irmão. Eu confiei e mais tarde descobri – da pior maneira – que ele dava o chocolate ao cachorro. Só que era muito chocolate e o coitado ficou doente. E nós ficamos de castigo e sem Kinder Ovo.

Depois de muitas súplicas, lágrimas e pedidos de perdão, nossa mãe liberou novamente o ovo com a promessa de que comeríamos o chocolate. Acontece que transformamos a geladeira em um depósito de ovos de chocolate com uma nova promessa: a de que comeríamos mais tarde.  Foi assim que o Kinder Ovo foi definitivamente abolido lá em casa. Mas as surpresas ficaram.

Ah as surpresas! Eu adorava chacoalhar o ovo na esperança de completar minha coleção de gnomos ao invés de tirar mais uma estatueta. Aliás, alguém gostava daquelas estatuetas de metal com índios, cowboys e samurais? Eu odiava! Meu irmão curtia então eu trocava com ele por coisas de “menina”.

Mais tarde a família Kinder cresceu e veio o Kinder Ovo Maxi, um ovo de Páscoa com uma mega surpresa. Ao menos era o que ele prometia, mas na verdade vinham brinquedos de pelúcia sem graça. Nada comparado à câmerazinha (essa da foto) que passava uma história dos Flinstones ou à caixinha de máxica que fazia os objetos desaparecerem.

Que delícia relembrar essas coisas da infância. E o melhor é que as crianças de hoje também podem curtir o ovo com surpresa. Só não sei se elas acham tão divertido quanto eu achava!

 

– –

O post de hoje teve a colaboração da querida Paula do blog Cores de Esmaltes, que carinhosamente produziu fotos das surpresas que guarda até hoje. Ela também me lembrou sobre a câmera que era um dos presentes mais legais. Obrigada Paula! Esse post é pra você.

 

 

Páginas:«1234567»

publicidade

Histórico de posts